sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

FIM DA LETRA CURSIVA NAS ESCOLAS



Por: Evelyse Eerola on domingo, janeiro 26, 2014


Na semana passada  os finlandeses ficaram sabendo pelos jornais e noticiários que o Ministério da Educação pensa em terminar com o ensino da letra cursiva nas escolas, ensinando apenas a letra de forma

Uma notícia que já era de se esperar num país onde a tecnologia é altamente utilizada e todas as crianças antes de se alfabetizarem já sabem mexer em computadores, tablets e telefones.
Mesmo assim, nós com mais de trinta anos, não deixamos de ficar surpresos pela notícia que mostra que o futuro tecnológico está muito mais perto do que imaginamos. 

Existem algumas escolas que incluíram o tablet para cada aluno, abolindo quase que praticamente o velho e bom caderno, assim como os cadernos de caligrafia.

Outras desenvolvem seus trabalhos de pesquisa com a utilização de celulares inteligentes onde as crianças conectadas na net conseguem as respostas em tempo record pela famosa google, fotografam e já enviam para o e-mail do professor.
Ok, tudo isto já vimos por aqui, mas até agora eram experiências.

Tenho certeza que algumas escolas particulares no Brasil também fazem experiências deste tipo. Mas quando uma coisa tão simples como o fim do ensino da letra cursiva, que aqui é chamada de “escrita bonita” está ameaçada de extinção por decreto, o choque foi inevitável. Levamos um tapa na cara que nos fez acordar. 

Realmente o tempo passa e a tecnologia toma conta.

Pelo que eu saiba, muitas escolas do Brasil também estão optando pela ênfase na letra de forma. E na verdade, quando a criança está ainda desennvolvendo as suas habilidades motoras, torna-se mais fácil reconher cada letra individualmente. No caso do aprendizado da letra cursiva, as crianças teriam ainda que desenvolver atividades motoras específicas para “desenhar” as letras e isto, segundo muitos educadores, hoje em dia seria somente uma perda de tempo.

Por enquanto, isto é uma sugestão de projeto e que se aceito entrará em vigor em 2016. 

Segundo o grupo que propôs a ideia, atualmente, jovens e crianças têm uma escrita muito mais ativa no computador e por este motivo, acredita-se que seja desnecessário perder tempo ensinando as crianças a escreverem com letra cursiva

A coordenadora do projeto Pirjo Sinko defende que é muito mais importante os professores se concentrarem na qualidade do texto e não em formas de escrever que já estão se tornanado obsoletas.
As crianças aprenderiam a reconhecer as letras escritas de forma cursiva mas estariam desobrigadas da tarefa enfadonha de tentar reproduzir as suas curvas e especificidades. Seriam capazes de ler mas não de reproduzir.
De acordo com a pedagogia moderna, em grande parte inspirada no construtivismo de Piaget e responsável por muitas mudanças nas práticas escolares. 

O que importa é que o aluno descubra por si próprio os caminhos para a alfabetização e a escrita proficiente. Se Piaget estivesse vivo, talvez fosse o primeiro a aplaudir a proposta, já que possuia um pensamento de vanguarda.
Porém, a ideia de abandonar de vez a chamada letra emendada, não é unânime. Parte dos professores defende a importância do aprendizado também da letra cursiva como uma forma de trabalhar a coordenação motora e habilidades especifícas, da mesma forma que são desenvolvidas nas atividades de desenho e artesanato. Segundo estes, o processo constituí uma parte importante do desenvolvimento do aluno e a pratica da caligrafia é importante para tornar a escrita mais fluente.
Por sua vez, o grupo que lançou a proposta defende que é desnecessário este tipo específico de aprendizagem uma vez que os alunos terão a oportunidade de treinar suas habilidades de coordenação motoras em outras disciplinas que fazem parte do currículo como as aulas de  desenho e pintura.
Para este grupo, a escola não pode se isolar em si mesma em técnicas ultrapassadas ingorando o que faz parte da vida dos alunos e como eles se expressam. 

Hoje em dia se digita muito mais do que se escreve. 

Inclusive pessoas adultas em suas rotinas de trabalho utilizam cada vez menos o lápis e o papel, uma vez que podemos anotar nossos compromissos até nas agendas dos nossos telefones.
A escola poderia utilizar este tempo para trabalhar outras atividades com as crianças e possibilitar que seus conhecimentos já adquiridos sejam explorados de diversas formas. Estaríamos desta forma cortando repetições, onde a criança praticamente tem que se afabetizar duas vezes.
Imaginem que daqui a alguns anos só os mais velhos saberão escrever com letra cursiva. Meus netos ficarão olhando com espanto quando eu escrever o nome deles com uma letra diferente. E o pior, provavelmente não irão conseguir entender!!! Os velhos terão uma língua secreta: “Não consigo ler vovó, você escreveu tudo junto, escreva organizado”!
Por enquanto o projeto está em discussão, vamos ver no que vai dar. 
Mais uma coisa é certa: Mudanças ainda virão e a pergunta é: Nós professores, estamos prontos para estas mudanças?


Fonte: http://www.projetofinlandia.com/artigos/finlandia-pensa-em-abandonar-o-ensino-da-letra-cursiva/


quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

5 FORMAS DE FACILITAR A VIDA DO CANHOTO



Seu filho é canhoto ou destro? 


"Saiba que a habilidade dele com a mão direita ou esquerda pode revelar um pouco sobre seu comportamento escolar."
 

Um estudo realizado por uma empresa alemã de materiais de escrita, com 2.000 crianças entre 7 e 11 anos, mostrou que os canhotos são mais propensos a gostar da escola e ter um relacionamento mais próximo com os professores, além de se destacarem em aulas de arte e música.

Porém, quando se trata de lição de casa e de escrever, são os destros que se saem melhor.

De acordo com a pesquisa, mais de 30% deles entregam as tarefas no tempo certo e bem-feitas e 57% deles dizem que adoram escrever.

Enquanto esse estudo mostra até um equilíbrio entre destros e canhotos em relação à escola, o fato é que o cotidiano de quem tem habilidade com a mão esquerda é um pouco mais complicado, porque o mundo é dos destros, apesar de estimativas apontarem que quase 10% da população seja canhota.

Pesquisa feita no início dos anos 90 revelou que filhos de pais destros têm 9,5% de chance de ser canhotos. Mas, quando o pai ou a mãe é canhoto, a possibilidade sobe para 19,5%.

Outro dado concreto é que a dominância é mais forte nas mãos, porque elas exigem atividades mais sofisticadas, ou finas, como a escrita. Essa “facilidade” com o lado esquerdo aparece logo no primeiro ano de vida. 

Segundo Raquel Caruso, psicomotricista, psicopedagoga e fonoaudióloga, a criança escolhe uma mão para conhecer o mundo. “Ela apalpa os objetos, tenta pegar alguma coisa, faz os primeiros rabiscos no papel”, diz. Mas a confirmação real virá em torno dos 6 anos, quando a criança começa a ser alfabetizada.



Cinco formas de facilitar a vida do canhoto

1 – Se você notou que seu filho pequeno tem tendência a ser canhoto, avise a escola para que os educadores o ajudem nessa descoberta.

2 – Caso a criança esteja sendo alfabetizada, converse com a escola para que seja providenciada uma carteira adequada.

3 – Não “corrija” a criança mudando os objetos da mão esquerda para a direita. Senão ela pode ter dificuldade de aprendizado.

4 – Mesmo com poucas ofertas, compre o que for desenvolvido para ele. Alguns cuidados melhoram o desempenho escolar dessa garotada.

5 – Para manter bem a autoestima do filho, invente histórias de reis, rainhas, heróis e heroínas canhotos.



Fontes: Canhotos têm propensão à arte e destro é pontual: veja estudo – Blog do Helio Leite

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

ALERTAS PARA IDENTIFICAR DEFICIÊNCIA VISUAL NOS ALUNOS




Indicadores mais comuns que podem sugerir uma investigação oftalmológica dos alunos:


- Irritações crônicas nos olhos, indicadas por olhos lacrimejantes, pálpebras avermelhadas, inchadas ou remelosas.

- Náuseas, dupla visão ou névoas durante ou após a leitura.

- Esfregar os olhos, franzir ou contrair o rosto quando se olham objetos distantes.

- Excessiva cautela no andar, correr raramente e tropeçar sem razão aparente.

- Desatenção anormal durante realização de trabalhos escolares.

- Queixas de enevoamento visual e tentativas de afastar com as mãos os impedimentos visuais.

- Inquietação, irritabilidade ou nervosismo excessivo depois de um prolongado e atento trabalho visual.

- Pestanejar excessivamente, sobretudo durante a leitura.

- Segurar habitualmente o livro muito perto, muito distante ou em outra posição enquanto se lê.

- Inclinar a cabeça para um lado durante a leitura.

- Capacidade de leitura por apenas um período curto de cada vez.

- Fechar ou tampar um olho durante a leitura.

- O deficiente visual pode ser educacionalmente cego ou com baixa visão.


É considerado cego aquele que apresenta desde ausência total de visão até a perda da percepção luminosa. Sua aprendizagem se dará através da integração dos sentidos remanescentes preservados. Terá como principal meio de leitura e escrita o sistema Braille. Deverá, no entanto, ser incentivado a usar seu resíduo visual nas atividades de vida diária sempre que possível.

É considerado com baixa visão aquele que apresenta desde a capacidade de perceber luminosidade até o grau em que a deficiência visual interfira ou limite seu desempenho. Sua aprendizagem se dará através dos meios visuais, mesmo que sejam necessários recursos especiais.


As patologias que levam à deficiência visual incluem, principalmente, alterações das seguintes funções visuais: 

- visão central, 
- visão periférica e 
- sensibilidade aos contrastes.



Regina Célia Gouvea Lázaro - Chefe da Divisão de Pesquisa, Documentação e Informação do Instituto Benjamin Constant

VISITA AO CENTRO CULTURAL DO MOVIMENTO ESCOTEIRO



O Centro Cultural do Movimento Escoteiro, também conhecido como CCME, foi fundado em 8 de novembro de 1985 na cidade do Rio de Janeiro.

 É uma instituição que preserva, divulga e apoia a memória e cultura escoteira no Brasil.


O CCME possui o maior acervo sobre escotismo no Brasil.




A atual sede do CCME se localiza no chamado corredor cultural do Rio de Janeiro, que foi cedida pela Diretoria de Portos e Costa da Marinha do Brasil

O Espaço Cultural que é destinado a exposições e eventos, possuia uma biblioteca, um centro de documentação, uma sala de cursos e a sala
  "Baden Powell", que homenageia o fundador do Movimento Escoteiro.


Lá também estão instalados o "Museu Escoteiro". 





- O Museu Escoteiro, onde ficam expostas peças que compõem a história do Movimento Escoteiro no Brasil e do mundo inteiro, possui bandeiras, manequins vestidos com o uniforme escoteiro, exposições de acampamentos e outros itens.

- No Espaço Cultural, onde são feitas exposições e eventos referentes ao Movimento Escoteiro, também se divulgam vídeos e se desenvolvem outras atividades.

- A Biblioteca, que tem mais de 2 mil livros, além de documentos e periódicos, possui espaço para leitura, e seu acervo está disponível na internet.

- No Centro de Documentação são recuperados, catalogados e conservados os documentos históricos sobre o escotismo brasileiro e mundial.

- A Sala Baden Powell possui vasta documentação, fotos e imagens e objetos relacionados a Baden Powell, fundador do Movimento Escoteiro.

- A Sala de Cursos é o espaço destinado a palestras e cursos.




Endereço:

- Rua Primeiro de Março, 112 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, CEP: 20010-000





quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

VIDEOGAMES MELHORAM DESEMPENHO PROFISSIONAL


Conforme pesquisa realizada nos Estados Unidos, na Universidade Denver, os videogames ou jogos eletrônico melhoram o desempenho dos profissionais.


Redação Olhar Digital - em 15/01/2014 às 18h20

Mais do que um passatempo, o videogame é capaz de treinar o raciocínio humano e suas aplicações no cotidiano.

É o que revela uma pesquisa Universidade de Denver, nos EUA, que diz que aponta que os jogos eletrônicos são capazes de melhorar o desempenho no ambiente profissional.

A pesquisa levou em consideração 65 estudos e informações referentes a 6,4 mil estagiários. Com estas informações, foi observado que o nível de conhecimento dos gamers em relação aos que não jogam é superior em 14%. 

O nível de conhecimento factual foi 11% maior, e de rentenção chegou a 9%.

Por este motivo, a especialista em RH Eline Kullock, do Grupo Foco, apoia os games como forma de estímulo à criatividade e à inovação, já que eles aumentam a capacidade de tomada rápida de decisões.

Os jogos também desenvolvem organização de ações para conquista de objetivos e a elaboração de estratégias. Além disso, o cumprimento de tarefas no menor tempo possível e o gerenciamento do tempo como um todo pode ser fator determinante para o rendimento profissional.

Como ponto negativo, no entanto, Eline Kullock ressalta apenas o fato de que o "restart" dos videogames pode gerar um pensamento perigoso de que tudo na vida, inclusive nas empresas, pode recomeçar sem consquências graves, o que não é verdade na maioria dos casos, quando há grandes prejuízos por causa de erros.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

RECURSOS PARA PROJETOS CULTURAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS EM 2014





Um conjunto de 1.001 escolas públicas do ensino fundamental e do ensino médio inovador, de 23 unidades da Federação, faz parte da primeira lista de unidades selecionadas para receber recursos do programa Mais Cultura nas Escolas. A comissão interministerial de avaliação do programa vai divulgar mais uma lista em 10 de fevereiro e outra em 10 de março próximos. 


Pelas previsões, serão atendidas mais cinco mil escolas este ano, com repasses do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) que variam de R$ 20 mil a R$ 22 mil.

O valor por escola é definido de acordo com o número de estudantes matriculados. O investimento no ano será de R$ 100 milhões.

De acordo com a secretária substituta de políticas culturais do Ministério da Cultura, Juana Nunes, a comissão interministerial optou por divulgar as escolas por etapas, no período de janeiro a março, em razão do grande número de projetos habilitados para o Mais Cultura e também para evitar atrasos no calendário. Juana explica que os planos de atividades culturais das escolas selecionadas serão publicados pelos ministérios da Cultura e da Educação e repassados ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), responsável pela transferência dos recursos às unidades de ensino. A escola deve investir a verba na contratação de serviços culturais, conforme plano de trabalho aprovado pela comissão interministerial.

Iniciativa dos ministérios da Educação, da Cultura e do Desenvolvimento Social, o Mais Cultura tem entre as finalidades promover a circulação de cultura nas escolas, contribuir para a formação de público no campo das artes e desenvolver uma agenda de formação integral de crianças e jovens. As atividades podem ser desenvolvidas dentro ou fora das escolas, durante o ano letivo, por um período mínimo de seis meses.

Levantamento realizado pelos três ministérios mostra que das 14,3 mil escolas habilitadas a participar do programa, 67% têm alunos atendidos pelo programa Bolsa-Família do governo Federal. Desse total de escolas, 13,6 mil adotaram a educação em tempo integral; 675 implantaram o ensino médio inovador e 251, os dois sistemas.

Os recursos do PDDE serão repartidos de acordo com o número de matrículas registradas no último Censo Escolar, conforme tabela.


Ionice Lorenzoni




Confira clicando aqui a 
em janeiro de 2014.



sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

EXPOSIÇÃO DA ARTISTA JAPONESA YAYOI KUSAMA NO CCBB DO RIO DE JANEIRO



Uma das artistas japonesas mais vibrantes e surpreendentes em atividade, Yayoi Kusama conquistou a cena mundial de arte contemporânea com performances, videoarte, filmes, pintura, desenho, escultura, instalação, moda, poesia, ficção e "happenings" ao longo de cerca de seis décadas de carreira.

O CCBB - CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL do Rio de Janeiro, apresenta a primeira exposição panorâmica da artista no Brasil, até o dia 20 deste mês. 

A exposição foi produzida pelo Instituto Tomie Ohtake, em colaboração com o estúdio de Yayoi. Com o título de “Obsessão Infinita”, a mostra traz uma centena de obras da artista realizadas entre os anos 1949 a 2012, com a curadoria de Philip Larratt-Smith (curador do Malba – Fundación Constantini, Buenos Aires) e de Frances Morris (curadora da retrospectiva da Kusama na Tate Modern de Londres).

Um dos destaques da mostra é a instalação
“Dots Obsession”
que traz seu conhecido padrão de pontos e bolas coloridas.



Yayoi Kusama, que nasceu em 1929, começou a realizar seus trabalhos poéticos e semi-abstratos em papel nos anos 1940, antes de sua celebrada série “Infinity Net” (Rede Infinita), no final dos anos 1950 e no início dos 1960. 

Essas pinturas originais são caracterizadas pela repetição obsessiva de pequenos arcos pintados, aglutinados em padrões rítmicos maiores. Sua mudança para New York, em 1957, foi um divisor de águas para a artista.



Foi nessa época que entrou em contato com Donald Judd, Andy Warhol, Claes Oldenberg e Joseph Cornell. Sua prática de pintura abriu caminho para esculturas delicadas, conhecidas como “Accumulations” (acumulações) e, em seguida, para performances e happenings que se tornaram selos da subcultura marginal e renderam, para a artista, notoriedade e a atenção das principais correntes críticas de então.



Em 1973 Kusama retornou ao Japão e, desde 1977, vive voluntariamente em uma instituição psiquiátrica. O caráter psicológico singular e pronunciado de seu trabalho sempre foi combinado com uma generosa dose de reinvenção e inovação formal, o que lhe permite dividir sua visão única com um público mais amplo, através do espaço infinitamente espelhado e da repetição obsessiva de pontos que caracteriza sua obra.




“Minha arte é uma expressão da minha vida, sobretudo da minha doença mental, originária das alucinações que eu posso ver. 
Traduzo as alucinações e imagens obsessivas que me atormentam em esculturas e pinturas. 
Todos os meus trabalhos em pastel são produtos da neurose obsessiva e, portanto, intrinsecamente ligados à minha doença. 
Crio peças, mesmo quando não vejo alucinações"
conta a artista.

Em seus trabalhos mais recentes, Yayoi renovou o contato com seus instintos mais radicais em instalações imersivas e colaborativas – peças que fizeram dela, com justiça, a artista viva mais celebrada do Japão.


O CCBB - Centro Cultural Banco do Brasil, funciona de quarta a segunda, das 9h às 21h, na Av. Primeiro de Março 66, Centro - Rio de Janeiro.


Fontes:


FERIADOS DE 2014 SÃO PUBLICADOS NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO






O Calendário Oficial de Feriados Nacional de 2014 foi publicado no Diário Oficial do dia 06 de janeiro de 2014, onde apenas 5 feriados cairão em dias úteis.


Brasília - Em 2014, apenas cinco feriados cairão em dias úteis. Portaria do Ministério do Planejamento, publicada hoje (6) no Diário Oficial da União, estabelece o calendário oficial de feriados para os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo, sem prejuízo da prestação dos serviços considerados essenciais.

As demais datas, este ano, serão em fins de semana. 

A portaria não estabelece se nos dias dos jogos da Copa do Mundo, entre 12 de junho e 13 de julho, em 11 capitais e no Distrito Federal, os expedientes serão suspensos.


São feriados em 2014 
as seguintes datas:


1º de janeiro – Confraternização Universal (quarta-feira)
18 de abril – Paixão de Cristo (sexta-feira)
21 de abril – Tiradentes (segunda-feira)
1º de maio – Dia do Trabalho (quinta-feira)
7 de setembro – Dia da Independência (domingo)
12 de outubro – Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil (domingo)
2 de novembro Dia de Finados (domingo)
15 de novembro – Proclamação da República (sábado)
25 de dezembro – Natal (quinta-feira)


São considerados pontos facultativos os dias:

3 de março – segunda-feira de carnaval
4 de março – terça-feira de carnaval
5 de março – Quarta-Feira de Cinzas (até as 14h)
19 de junho – Corpus Christi (quinta-feira)
28 de outubro – Dia do Servidor Público (terça-feira)
24 de dezembro – véspera da Natal (a partir das 14h)
31 de dezembro – véspera de Ano-Novo (a partir das 14h)


Além desses, as datas comemorativas de credos e religiões, de caráter local ou regional, podem ser respeitadas, mediante autorização da chefia imediata do trabalho do servidor, para posterior compensação.

Caberão aos dirigentes dos órgãos e entidades a preservação e o funcionamento dos serviços essenciais afetos às respectivas áreas de competência.


Fontes:
Agência Brasi

*Colaborou Stênio Ribeiro
Edição: Graça Adjuto
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil








sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

LEI Nº 12.886/2013 PROÍBE ESCOLAS DE PEDIR MATERIAL DE USO COLETIVO

A partir de agora, as instituições de ensino estão proibidas de pedir aos pais,  nas listas de matérias escolares, produtos de uso coletivo como itens de escritório, de limpeza e materiais usados pela área administrativa.

Conforme PROCON/RJ, a seguir, um resumo dos produtos vetados:



O Projeto de Lei 126/2011, foi sancionado no dia 27 de novembro de 2013, pela presidenta Dilma Rousseff com o objetivo de evitar abusos nas listas de material escolares

Pela Lei nº 12.886/2013, que já entrou em vigor, os pais não precisam mais fornecer às escolas, produtos como papel ofício em grandes quantidades, papel higiênico, algodão, álcool, flanela, fita adesiva, CDs, giz para quadro negro, cartolina, estêncil, grampeador e grampos, papel para impressora, esponja para louça, talheres e copos descartáveis, dentre outros produtos que não sejam utilizados exclusivamente pelo aluno.


ÍNTEGRA DA LEI

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos
Acrescenta § 7o ao art. 1o da Lei no 9.870, de 23 de novembro de 1999, dispondo sobre nulidade de cláusula contratual que obrigue o contratante a pagamento adicional ou a fornecimento de qualquer material escolar de uso coletivo.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1o O art. 1o da Lei no 9.870, de 23 de novembro de 1999, passa a vigorar acrescido do seguinte § 7o:
“Art. 1o  ........................................................................
.............................................................................................
§ 7o Será nula cláusula contratual que obrigue o contratante ao pagamento adicional ou ao fornecimento de qualquer material escolar de uso coletivo dos estudantes ou da instituição, necessário à prestação dos serviços educacionais contratados, devendo os custos correspondentes ser sempre considerados nos cálculos do valor das anuidades ou das semestralidades escolares.” (NR)
Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 26 de novembro de 2013; 192o da Independência e 125o da República.
DILMA ROUSSEFF
José Eduardo Cardozo
Aloizio Mercadante
 
Este texto não substitui o publicado no DOU de 27.11.2013


Fontes:



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...